PLANTÃO ÚLTIMO SEGUNDO

24 maio 2007

Entrevista
Reporter: Washington Fagner

Padre Pedro Sposato, natural da cidade de Colmo na Itália, 62 anos de Idade é Pároco da Igreja Nossa Senhora da Assunção na cidade de Salvador. Formado em teologia e direito é professor de Teologia nas Faculdades São Bento. Para ele, Bento XVI acha que ultrapassados somos nós, os modernos. E equivocados, os religiosos que misturam a fé e política, Jesus Cristo e Che Guevara. “A Igreja defende a vida em todos os seus níveis. Por isso ela é contra o aborto no inicio da vida e contra a eutanásia no fim da vida. Com relação às células-tronco a igreja e contra somente em relação a manipulação genética da vida.”

Fagner Abrêu: Semana passada, o Papa Bento XVI divulgou sua primeira exortação apostólica, intitulada Sacramentum Caritatis (Sacramento do amor). O que é uma exortação apostólica?
Padre Pedro Sposato: é uma manifestação papal que nasce do sínodo. Deve orientar não só os bispos, mas todo o clero, sobre questões cotidianas. Portanto, tende a tocar temas prementes, como de fato aconteceu no sínodo de 2005. Sendo assim, a exortação apostólica de Bento XVI não tem nada de novo. É fruto desse processo.

F.A.: O sínodo já apontava tais diretrizes?
Sposato.: Sim. Tudo que está sendo dito agora é o que Bento XVI pensa, o que o Ratzinger já pensava e o que João Paulo II também pensou. Faz parte de um movimento contínuo que a Igreja vem fazendo ao longo do tempo.

F.A.: Bento XVI é um crítico da modernidade?
Sposato: Sem duvida. O que boa parte das pessoas tem dificuldade de entender é que o Papa não considera a modernidade como algo que tem valor a priori. O que na nossa formação é estranho. Fomos criados nos cânones da modernidade, crescemos acreditando que a democracia resolveria tudo, e não é bem assim. A democracia é uma estrutura hierarquizada. Por isso estranhamos esse teólogo duro, capaz de quebrar protocolos e que está preocupado com a desordem do mundo.

F.A.: O que é o marxismo cultural?
Sposato: É um movimento ideológico que pretende implantar a revolução marxista.

F.A.: Como esta ideologia comunista mais afeta nossa vida de Igreja e influencia nosso pensamento?
Sposato: Ele afeta justamente pelo fato de que a Teologia da Libertação, aqui no Brasil e na América Latina, tem como ideal a implantação de uma sociedade parecida com aquela que os socialistas e comunistas esperavam, uma sociedade igualitária em que as pessoas sejam todas iguais.

F.A.: Bento XVI começa a dizer a que veio no enquadramento das teologias que se afastem da “oficial”. Um caso foi a condenação ao silêncio do bispo Jon Sobrinho, de El Salvador, ligado a Teologia da Libertação. Ratzinger que puniu Leonardo Boff no passado, não mudou de convicções?
Sposato: Há um casamento entre tradição e mística. Imagine que João XXIII encontre João Paulo II no céu. O italiano diria ao polonês: “as pessoas entenderam tudo errado, João Paulo. A Igreja precisava se abrir pra escutar os fieis, para entender suas angustias, e acharam que era preciso transformar Marx em profeta”. João Paulo II pode ter lhe dito: “e eu que tive que consertar as coisas, especialmente lá na América Latina quando os caras já estavam achando que Jesus Cristo e Che Guevara eram a mesma pessoa”.

F.A.: Bento XVI investe contra a Teologia da Libertação em um momento em que pelo menos no Brasil seus melhores defensores saíram de cena como é o caso de D. Evaristo Arns e D. Helder Câmara.
Sposato: De fato os expoentes saíram de cena. E não se fez uma geração brilhante. Não existe no Brasil nenhum canal entre a igreja e Bento XVI. Não há no mundo teológico brasileiro um interlocutor capaz de enfrentar o papa. As melhores cabeças continuam sendo formadas ainda na Teologia da Libertação, ou seja, nosso clero ainda vive sob o impacto de uma visão sócio-analítica do mundo.

F.A.: Como está a expectativa do senhor para a V Conferencia do Episcopado Latino Americano e do Caribe?
Sposato: o mais importante é a presença do papa Bento XVI no Brasil. Nos brasileiros temos de nos dar conta do dom e da graça que é a presença desse homem entre nos. Ele é um papa diferente de João Paulo II, porque ele não vai visitar os paises do mundo inteiro. Primeiro porque ele já foi eleito sumo pontífice com idade avançada, 80 anos de idade. Por esta razão, o fato de Bento XVI visitar o Brasil é um momento de graça e de derramamento do Espírito Santo sobre a Igreja Brasileira.

F.A.: a Igreja Católica condena o aborto, a eutanásia e Dom Geraldo Majella informou que a Igreja Católica é contra as pesquisas com células-troco embrionárias. O que a igreja vê de errado nessas pesquisas?
Sposato: A Igreja defende a vida em todos os seus níveis. Por isso ela é contra o aborto no inicio da vida e contra a eutanásia no fim da vida. Com relação às células-tronco a igreja e contra somente em relação a manipulação genética da vida.

4 comentários:

Zeca disse...

Pensei que esse teólogo fosse mais "safo". Todavia, deparo-me diante de um enfadonho conservador. Derramar o Espírito Santo significa aprovar certos dogmas que creio já superados. Ou então vamos entender que em continentes como a África, onde a aids é uma pandemia, deixar de usar camisinha e se precaver é contra tais dogmas. Morrer em massa seria então uma "derrama" do Espírito Santo? Esse padre na verdade nada diz, apenas se utiliza de sofismas baratos.

vtm.bahia disse...

Rapaz...
de "Pároco", "Páracom" isso!
Só blá-blá-blá clerical, mas como temos que relativizar né... ou melhor, tentar relativizar. É difícil meu "cumpadi"!

Valter disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Valter disse...

Nossa...
Antes de falar da entrevista, quero agradecer sua visita e seu comentário no meu blog.
Parabéns pela entrevista, mas esse Pároco aí é complicado!
Fazer o que... rs